Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Um dia decorrido sobre o fenómeno Ensitel, ainda zumbiam as flechas e balas de canhão pelo ar e já choviam as análises mais ou menos elaboradas. A promessa de "case study", teses de mestrado e outros escrutínios excitavam os académicos e jornalistas.

 

Já li tanta conclusão precipitada, tanta ejaculação precoce que não resisto a este post


Disse-se:


Isto só foi possível porque aconteceu com "a senhora dos blogs da sapo"

A qualidade da rede foi determinante


É apenas parcialmente verdade. Se é certo que o círculo de contactos de 1º grau é importante, também é verdadeiro que não é garantia de nada. Para que haja adesão à causa são precisos pelo menos mais três ingredientes:

 

. não custar dinheiro

. não obrigar a levantar o traseiro da cadeira

. dar a sensação de poder

 

Exemplifiquemos:


A mesma @jonasnuts, usando o mesmo blog (http://jonasnuts.com/385115.html e http://jonasnuts.com/385992.html), o mesmo twitter (http://twitter.com/jonasnuts/status/4665859792445440) e o mesmo facebook (http://www.facebook.com/notes/m-joao-nogueira/solidariedade-sexual/10150331729555221), procurou junto do mesmo círculo de contactos apoio e adesão à causa dos Anjinhos de Natal.
Deve ter chegado a dezena e meia de adesões; nada mau, mas não comparável com a Ensistória.

Faltaram-lhe 2 dos ingredientes extra.

 

A Ensitel não fez o trabalho de casa. Não sabia quem era a Jonasnuts

Se fosse o Sócrates, o Herman ou uma socialite qualquer, isto jamais teria acontecido.


Certíssimo. E aqui acho que todas as empresas e entidades pecam. Desde o quiosque do Joaquim até ao governo do José.

O serventilismo foi e será infelizmente um dos pilares da nossa cultura


Esta é uma luta pela liberdade de expressão


Para alguns. Esta é uma luta por muita coisa ao mesmo tempo. Não se junta tanta gente em tão pouco tempo por uma mesma causa. É estatisticamente improvável.
Algumas motivações serão:


. irritam-me as empresas infoexcluídas a operar online

. não suporto manifestações de arrogância como a demonstrada pela Ensitel

. interessa-me surfar a hashtag wave e assim ganhar alguma reputação

. quero é ser contratado pela Ensitel enquanto consultor para o online

. gosto de qualquer linchamento público que meta sangue

. porque não custa dinheiro, não tenho de levantar o traseiro da cadeira e sinto-me poderoso

. a culpa é do Paulo Querido


e claro os que genuinamente acreditam que este caso pode criar jurisprudência em Portugal e que acreditam tratar-se de uma ferida grave na liberdade de expressão.


Quem tem a ganhar?


A comunidade? Melhor, as comunidades? Da próxima vez que alguém usar o seu blog ou twitter para relatar alguma injustiça, fá-lo-á com a esperança reforçada de gerar uma onda de solidariedade capaz de mover algumas montanhas.
As empresas e consultores de Relações Públicas em geral. Este caso da Ensitel, imagino eu, deve ter gerado uma correria a este tipo de serviços. Uma forma de precaução contra fenómenos do género no futuro. E acho bem pois então.
Os académicos claro. Acabam de ganhar um saquinho de laranjas das boas que podem espremer nos próximos anos e fazer o trabalho de sapa que estas coisas exigem.


Quem tem a perder?


Antes de mais, obviamente a Ensitel. Mas caramba. Será que não percebem que é também uma oportunidade brutal? Não têm nenhum Spin Doctor nos quadros que os ajude?

Reconhecer o erro com humildade, envolver a comunidade recolhendo sugestões, abordando o online com inteligência e franqueza. Enfim, ao longo desta odisseia já foram feitas tantas e tão boas sugestões que nem precisam contratar o tal consultor de PR. É só ler.


Perde também a carteira da Jonasnuts claro. Felizmente não sou mesmo nada douto nestas coisas de processos e tribunais. Mas não creio estar errado em presumir que mesmo ganhando as acções em tribunal, não será a Ensitel a pagar-lhe os advogados.

E como o Bitaites disse e muito bem, quando a altura chegar, contar-se-ão pelos dedos da mão os que sobram para testemunhar abonatoriamente pela Jonasnuts. Já os empregados ensitelianos irão cordatamente fazer o que lhes pedem a bem da manutenção do seu emprego.


Concluindo, como em quase tudo, uma ejaculação precoce é pouco satisfatória. As análises sumárias dão nisto.

A alternativa será aguardar pelos académicos que daqui a 5 ou 7 anos irão produzir um estudo cheio de referências e citações mas já completamente desactualizado.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:


2 comentários

Sem imagem de perfil

De cpinto a 30.12.2010 às 01:12

A melhor reacção. by far. E boa sorte para o que aparentemente aí vem que quando se mistura tecnologia e tribunais a coisa nunca corre lá muito bem.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 30.12.2010 às 09:23

Verdade!!! infelizmente os nossos juízes não são especializados e julgam tudo o que lhes aparece à frente (não digo que seja culpa deles, é o sistema que assim está montado), e em casos de tecnologia, branqueamento de capitais e outros que tais que exigem conhecimento específico (tal que a policia judiciária está especializada para investigar), como eles não têm, se acertarem minimamente numa sentença justa foi por sorte!

Por isso, boa sorte!

Comentar post








Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2007
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D