Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Um dia decorrido sobre o fenómeno Ensitel, ainda zumbiam as flechas e balas de canhão pelo ar e já choviam as análises mais ou menos elaboradas. A promessa de "case study", teses de mestrado e outros escrutínios excitavam os académicos e jornalistas.

 

Já li tanta conclusão precipitada, tanta ejaculação precoce que não resisto a este post


Disse-se:


Isto só foi possível porque aconteceu com "a senhora dos blogs da sapo"

A qualidade da rede foi determinante


É apenas parcialmente verdade. Se é certo que o círculo de contactos de 1º grau é importante, também é verdadeiro que não é garantia de nada. Para que haja adesão à causa são precisos pelo menos mais três ingredientes:

 

. não custar dinheiro

. não obrigar a levantar o traseiro da cadeira

. dar a sensação de poder

 

Exemplifiquemos:


A mesma @jonasnuts, usando o mesmo blog (http://jonasnuts.com/385115.html e http://jonasnuts.com/385992.html), o mesmo twitter (http://twitter.com/jonasnuts/status/4665859792445440) e o mesmo facebook (http://www.facebook.com/notes/m-joao-nogueira/solidariedade-sexual/10150331729555221), procurou junto do mesmo círculo de contactos apoio e adesão à causa dos Anjinhos de Natal.
Deve ter chegado a dezena e meia de adesões; nada mau, mas não comparável com a Ensistória.

Faltaram-lhe 2 dos ingredientes extra.

 

A Ensitel não fez o trabalho de casa. Não sabia quem era a Jonasnuts

Se fosse o Sócrates, o Herman ou uma socialite qualquer, isto jamais teria acontecido.


Certíssimo. E aqui acho que todas as empresas e entidades pecam. Desde o quiosque do Joaquim até ao governo do José.

O serventilismo foi e será infelizmente um dos pilares da nossa cultura


Esta é uma luta pela liberdade de expressão


Para alguns. Esta é uma luta por muita coisa ao mesmo tempo. Não se junta tanta gente em tão pouco tempo por uma mesma causa. É estatisticamente improvável.
Algumas motivações serão:


. irritam-me as empresas infoexcluídas a operar online

. não suporto manifestações de arrogância como a demonstrada pela Ensitel

. interessa-me surfar a hashtag wave e assim ganhar alguma reputação

. quero é ser contratado pela Ensitel enquanto consultor para o online

. gosto de qualquer linchamento público que meta sangue

. porque não custa dinheiro, não tenho de levantar o traseiro da cadeira e sinto-me poderoso

. a culpa é do Paulo Querido


e claro os que genuinamente acreditam que este caso pode criar jurisprudência em Portugal e que acreditam tratar-se de uma ferida grave na liberdade de expressão.


Quem tem a ganhar?


A comunidade? Melhor, as comunidades? Da próxima vez que alguém usar o seu blog ou twitter para relatar alguma injustiça, fá-lo-á com a esperança reforçada de gerar uma onda de solidariedade capaz de mover algumas montanhas.
As empresas e consultores de Relações Públicas em geral. Este caso da Ensitel, imagino eu, deve ter gerado uma correria a este tipo de serviços. Uma forma de precaução contra fenómenos do género no futuro. E acho bem pois então.
Os académicos claro. Acabam de ganhar um saquinho de laranjas das boas que podem espremer nos próximos anos e fazer o trabalho de sapa que estas coisas exigem.


Quem tem a perder?


Antes de mais, obviamente a Ensitel. Mas caramba. Será que não percebem que é também uma oportunidade brutal? Não têm nenhum Spin Doctor nos quadros que os ajude?

Reconhecer o erro com humildade, envolver a comunidade recolhendo sugestões, abordando o online com inteligência e franqueza. Enfim, ao longo desta odisseia já foram feitas tantas e tão boas sugestões que nem precisam contratar o tal consultor de PR. É só ler.


Perde também a carteira da Jonasnuts claro. Felizmente não sou mesmo nada douto nestas coisas de processos e tribunais. Mas não creio estar errado em presumir que mesmo ganhando as acções em tribunal, não será a Ensitel a pagar-lhe os advogados.

E como o Bitaites disse e muito bem, quando a altura chegar, contar-se-ão pelos dedos da mão os que sobram para testemunhar abonatoriamente pela Jonasnuts. Já os empregados ensitelianos irão cordatamente fazer o que lhes pedem a bem da manutenção do seu emprego.


Concluindo, como em quase tudo, uma ejaculação precoce é pouco satisfatória. As análises sumárias dão nisto.

A alternativa será aguardar pelos académicos que daqui a 5 ou 7 anos irão produzir um estudo cheio de referências e citações mas já completamente desactualizado.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:



2 comentários

Sem imagem de perfil

De cpinto a 30.12.2010 às 01:12

A melhor reacção. by far. E boa sorte para o que aparentemente aí vem que quando se mistura tecnologia e tribunais a coisa nunca corre lá muito bem.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 30.12.2010 às 09:23

Verdade!!! infelizmente os nossos juízes não são especializados e julgam tudo o que lhes aparece à frente (não digo que seja culpa deles, é o sistema que assim está montado), e em casos de tecnologia, branqueamento de capitais e outros que tais que exigem conhecimento específico (tal que a policia judiciária está especializada para investigar), como eles não têm, se acertarem minimamente numa sentença justa foi por sorte!

Por isso, boa sorte!

Comentar post



Sobre mim

foto do autor






Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2007
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D