Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Second Life logo

Implícito no nome está uma "Segunda oportunidade".
Um slogan desembrulhado do género:
Insatisfeito com a tua vidinha?
Gostavas de ter uns bícepes maiores?
Uma cara de bebé num corpo de Stallone?
Experimenta a tua Segunda Vida.

Claro que o conceito não é original e existe desde os primórdios dos Talkers, MOO e chats só acessíveis aos mais nerds capazes de fazer telnet para uma porta de um servidor rudimentar algures. Desde essa altura que os avatares e a mimificação/virtualização das regras sociais existe. Com os seus estratos, zangas, amores e sarcasmos.
Pouco mudou desde então. VRMLs havia aos molhos por todo o lado cheios de gurus e promessas de uma Second Life. O facto é que todas falharam. E falharam por inúmeras razões. As tecnológicas, as sociais, comerciais  ou de índole específica do projecto em causa.
Depois de uma fase moribunda em que outras novidades ocupavam a capacidade de absorção dos utilizadores, eis que surge o Second Life em cena com a promessa de mudar tudo.

A promessa de quebrar as barreiras tecnológicas com uma plataforma estável e fiável, a promessa de sustentar uma comunidade de utilizadores numa base de regras claras e um nível de interactividade que a banda larga finalmente proporcionava.

Como outros milhares de pessoas, cedi à tentação de experimentar. E aqui a aposta foi ganha. Acho que quase todos experimentam. E pouco se passa depois.
A frase mais comum com a expressão "Second Life" é: "sim, eu já experimentei. Andei a passear de um lado para o outro e achei aquilo tão monótono e aborrecido que nunca mais voltei"
A minha experiência não é muito diferente desta. A curiosidade profissional e a vontade de perceber alguns fenómenos fizeram-me perder mais horas do que o utilizador comum. Honestamente, fi-lo desejando ardentemente encontrar alguma utilidade (ainda que meramente lúdica), ou alguma razão para lá voltar. Não consegui.

Os adeptos (sim, há adeptos para tudo) atiram-nos as estatísticas à cara. Querem provar o sucesso do Second Life com curvas de crescimento e de número de horas online. A verdade é que essas curvas são bem diferentes quando justapostas ao crescimento dos utilizadores da internet no mundo. Feito esse exercício, os números impressionam muito menos. Mesmo nada.

Nesta procura de razões para o insucesso (na minha perspectiva, claro), encontro vários argumentos. São argumentos de quem passou lá algumas horas e quem deu mais do que uma chance ao projecto para o impressionar. Provavelmente estão cheios de incorrecções e omissões. Se o estão é porque algo está errado e a informação não passa para o utilizador.

Second Life avatars

1. A estabilidade é um mito.
São inúmeras as vezes em que sou confrontado com a mensagem de que o mundo onde estou vai acabar para um upgrade qualquer. Fico sempre com vontade de fazer alguma coisa dramática como fazem os doentes terminais que sabem só ter mais uma semana de vida. Mas nem isso posso fazer. Afinal, o que posso eu fazer de dramático sem que me ponham fora dali?

2. Permanentemente inadaptado.
Eu sei que vou lá poucas vezes. Mas é estranho que 90% das vezes que abro a aplicação, sou informado que o software que tenho é velho e caduco. Só actualizando para a última versão XPTO é que poderei entrar. E são sempre 70Mb de download. 70Mb de uma inutilidade confrangedora. 70Mb dão para dois álbuns do Jaco Pastorius com os solos incluídos. O meu software está sempre inadaptado.

3. Quem é esse Linden Labs e porque raio manda ele no mundo?

É Deus! É o dono do mundo. O tipo que tem a bola e só empresta a quem quer. Uma entidade secreta com uma polícia de regime da pior espécie. Uma oligarquia malévola que tudo controla e comanda. Como se de repente o Zeus olhasse cá para baixo e dissesse. Rapazes, temos pena. Eu sei que estavam aí a ver o strip-tease da "ladyhawk" todos excitados, mas agora tenho de mandar o mundo abaixo. Mas não se preocupem, volta tudo amanhã à mesma hora.
O Zeus é um Zeus moderno. Aluga espaço. Vende uns terrenos. É uma espécie de REMAX do mundo. E o mundo é como a Vila da Nazaré no verão. Está cheia de anúncios a dizer "rooms, chambres, habitaciones, zimmer".
Em resumo, o mundo é muito Orwelliano no Second Life.

4. Só os esclarecidos podem ser artistas.
No Second Life nunca teremos um António Aleixo, nunca teremos qualquer criação popular. Porque o povo não está autorizado a criar. Só aos esclarecidos e académicos foi concedido o dom de criar. Zeus escolheu os seus semi-deuses e só eles podem usar as ferramentas de criação e modelação de mundos.
Isto é uma inversão do que entendo como "life". É estúpido e redutor. É um argumento para a auto preservação da oligarquia dos semi-deuses do mundo virtual.

5. É um mundo capitalista. Capitalista bacoco.
Porque num mundo verdadeiramente capitalista, eu não preciso sair do mundo para ganhar dinheiro. O capitalismo é autofágico. Alimenta-se dele próprio. Para eu ganhar dinheiro, alguém tem de o perder. E para que o dinheiro exista, tem de haver produto e produção. Ora, no Second Life, para me tornar um capitalista, basta sair do mundo virtual, entrar no real, puxar do cartão de crédito e comprar. Comprar... dinheiro. Linden Dollars claro. Eu devia poder assaltar alguém e roubar-lhe a carteira. Ou simplesmente produzir batatas e vender na feira, mas não. É um capitalismo da treta. Pior ainda que o real.

6. Sou uma alma penada: a interacção virtual não existe.
No Second Life somos todos almas penadas. Pairamos por aí a penar. E penamos por onde queremos. Mas nem almas penadas de jeito podemos ser. Fantasma que se preze pode atravessar uma porta ou um muro. Nós não. Temos de obedecer às leis da física. Quero dizer... Algumas leis. Voar é giro. Mas incongruente.
E somos almas penadas porque não temos qualquer influência no ambiente que nos rodeia e muito menos nos nossos concidadãos. Não posso partir um braço a ninguém. Bem me apetecia pregar uma rasteira ao rufia da Zona Bear, mas não posso. Sinto-me transparente.

7. Viver para vestir e despir.
É onde todos perdem mais tempo. A mudar, acrescentar, retirar, vestir e despir o avatar. O Second Life quase funciona como um gabinete de prova da Zara. É levar uma pele nova, uns olhos catitas e uma peruca e experimentar. Claro, se formos capitalistas, temos direito a um crescente guarda-roupa catita que nos faz parecer umas almas penadas mais bem vestidas do que as outras.

Podia continuar a enumerar dezenas de outras razões para o insucesso mas todos acabam num longo e bocejante "boooooring!".
Senhor Zeus, eu gostava de poder descobrir algo no Second Life. Ser um Vasco da Gama, um Pedro Álvares Cabral, um inventor qualquer que tinha descoberto algo antes dos outros. Isso é que seria uma grande segunda vida.

E no entanto, justiça seja feita ao Zeus ou Júpiter lá do Olimpo. Eles fazem bom uso dos sestércios e dos dólares. Há sempre alguma novidade tecnológica ao virar da esquina. Até já posso falar e os outros, ouvir. Sou uma alma penada que fala. É um progresso. Já é possível ver streams de vídeo e ouvir áudio em algumas zonas.

Com tudo isto, são várias as iniciativas que tentam fazer uso da plataforma. Desde concertos (meu deus... concertos!) ao vivo de bandas de rock para uma audiência máxima de 90 pessoas (é que não cabem mais na ilha. Restrições de Minerva), até conferências e apresentações. Perde-se totalmente a noção do conteúdo para valorizar o meio.

É como se de repente o Camões decidisse apresentar a sua obra épica pela primeira vez no Second Life e ficasse tudo extasiado com o cenário da apresentação, com a roupa do avatar X ou Y e com a qualidade da voz ouvida nos auscultadores. Mas ninguém se lembraria do conteúdo certamente.

Isto tudo a propósito de um artigo que li no blog do Enrique Dans (o grande Enrique Dans), que foi pioneiro de uma apresentação no Second Life no âmbito da apresentação da Feira Espanhola de Emprego.
Achei curiosas mas simultaneamente cândidas as recomendações do Enrique para os futuros conferencistas.

Leiam para espairecer depois deste relambório contra o Second Life.

P.S. O meu avatar é o Poingg Oh
:)

Autoria e outros dados (tags, etc)


4 comentários

Sem imagem de perfil

De Rui Cruz a 27.09.2007 às 11:22

ROTFLOOOOOOLLL...

Por acaso não estás nos meus feeds, vim cá pelo blog da Jonas.
Mas quando vejo second life ou iphone nos feeds, vai logo com os porcos.

Acho isso da second life uma idiotice, e não, NUNCA testei. Prefiro www.amiguinhos.com ou www.netlog.pt (sim, hi5 é demasiado pitêscóporno).

Em relação à foto, quando lá fores, pergunta à gaja da esquerda como é que ela mete o cabelo a semi-voar, ou se é o vento da aplicação. É que quando quiser dizer ás pessoas para deixarem de ser palhaços, dizia que o produto X para o cabelo é uma porcaria.

/The end

Rui
Imagem de perfil

De Eduardo a 27.09.2007 às 11:31

netlog/hi5/amiguinhos e second life são coisas bem diferentes. Eu acho que devias testar o sl para confirmar :)
Imagem de perfil

De esquisito a 27.09.2007 às 11:47

Olá. Também venho do estaminé da Jonas... (hmm, nota mental, deixar de usar palavras demasiado associadas ao Markl.)

Já conhecia o teu blog anterior mas ainda não tinha vindo a este.

Quase tudo o que dizes do SL é para mim óbvio sem experimentar, só que não experimentando não vou criticar. O que não imaginava também não me surpreende. É mais uma moda, como o mito das .com, como a "ter" a internet só por ter, e afins. É como ir ao Ikea ou ver a colecção Berardo, só porque os outros também vão...

É acima de tudo uma grande perda de tempo. Já passo demasiado tempo em frente ao computador assim, portanto é melhor não abdicar da 1st life para "ter uma" segunda com os abdominais bonitos...

Acho que me perdi, já não sei qual era a punch line...
Sem imagem de perfil

De Guardião Merc a 30.03.2009 às 06:57

Saudações Amigo autor,

É um pena que tivestes uma percepção errada do SL. Não basta apenas dar chances a este mundo se mostrar para vc, você mesmo tem de buscar conhecimento e crescer, assim como na vida deverás buscar um sentido pois ninguém irá te dizer qual o sentido único e verdadeiro dela. Uma das maiores gafes suas neste post foi dizer que o povo não está autorizado a criar. A ferramente de edição e criação está ao alcance de todos basta força de vontade para aprender. Entre tantas coisas que dissestes e não condizem com os fatos essa foi a mais saltante. Procure um sentido e procure pessoas que tudo mudará. Qualquer mundo será mundo se há pessoas interagindo.

Abraço e boa vontade da próxima vez no próximo mundo que há de vir.

Comentar post








Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2007
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D